Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas Notícias > Comunicação > Projeto Sirius é tema da terceira edição dos Colóquios do CDTN, dia 24 de maio, às 15h
Início do conteúdo da página

Projeto Sirius é tema da terceira edição dos Colóquios do CDTN, dia 24 de maio, às 15h

O novo síncrotron brasileiro é tema de discussão no CDTN, no campus da UFMG

Na terceira edição do programa Colóquios do CDTN, receberemos a visita do diretor do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS) e professor titular da Universidade de São Paulo, Antônio José Roque da Silva, para discutir o tema “O novo síncrotron brasileiro: “are we Sirius”?”, na quarta-feira, 24 de maio de 2017, às 15h, no auditório Prof. Francisco de Assis Magalhães Gomes, nas instalações do Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear, localizado no campus Pampulha da UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais.

O programa Colóquios do CDTN, lançado em março último, é um ambiente para o debate técnico científico com convidados importantes em suas áreas de atuação aberto à presença de todos os interessados nas diversas temáticas. As edições anteriores contaram com a presença do ex-ministro de C&T Sérgio Machado Rezende, em 19 de abril, e com o prof. Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho, que iniciou o programa.

Coloquios do CDTN maio 2017 banner 2O palestrante:

Além de diretor do LNLS e professor titular da USP, Antônio José Roque é graduado e tem mestrado em Física pela UNICAMP, PhD em Física pela University of California, de Berkeley, e fez Pos-Docs na mesma universidade e na University of California, de Los Angeles. Roque coordena o Projeto Sirius, a nova fonte de luz síncrotron brasileira.

O tema em discussão:

O uso de luz síncrotron pelas mais variadas áreas do conhecimento tem tido um crescimento contínuo em todo o mundo, em parte, pelo aumento sistemático do brilho ao longo dos anos, o que permite novos experimentos e novas técnicas. O Brasil desenvolveu a tecnologia e construiu a primeira fonte de luz síncrotron no hemisfério sul, ainda única na América Latina. Assim, desde 1997, o LNLS opera esse equipamento como uma facilidade aberta. Mas, apesar desse sucesso, a atual fonte brasileira é uma máquina de segunda geração, com perda contínua de competitividade.

Por isto, desde 2008 o LNLS trabalha no projeto e construção do novo síncrotron brasileiro – Sirius, uma das maiores e mais complexas infra-estruturas científicas já construídas no país. Concebido como um síncrotron de 4ª geração, o Sirius, que a partir de 2012 passou a ser um projeto 100% nacional e um dos mais avançados do mundo, abrirá enormes oportunidades para o estudo de materiais – orgânicos e inorgânicos – com grau de detalhe sem precedentes.

Mais informações:

Núcleo de Comunicação – NUCCOM / CDTN – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. – (31) 3069 3064.

registrado em: ,,
Fim do conteúdo da página